quarta-feira, 22 de abril de 2015

Coração a metade...

E hoje levaram a Maria.

Traquina, melada e meiga. Levaram-na depois de muita avaliação, de muita pergunta e resposta, de muita indecisão. E hoje foi o dia escolhido. Surpreendidos que fomos com tudo. Olhem que vieram muitos para a levar. 

A Maria conversou durante toda a tarde com as "pessoas muito simpáticas da associação que ajuda todas as crianças maltratadas". Disse-me sorridente, "hoje vou embora, vou para outra associação. Durmo lá. É um sítio bom.".

E hoje levaram a Maria. A Maria é uma criança que tem sido maltratada por quem a deveria amar mais. Acarinhar mais. Preocupar mais. Proteger mais. Uns dias chorava...outros apenas se sentava no silêncio de quem lhe chove na alma.

Um dia era uma marca de punho fechado. Outra de fivela. O corpo queimado, a mão em ferida. Um dia chorava que não tinha brinquedos. Outro...que havia sido trancada num sótão escuro.

A Maria tem o sorriso mais sincero que conheço e o olhar mais triste que já vislumbrei. Conversou toda a tarde e desenrolou um novelo de milhares de lágrimas.

Chorei eu que as entranhas se retorceram perante tamanha maldade. Choraram os muitos que vieram buscá-la.

E hoje levaram a Maria mas deixaram o Pedro. O irmão que protege. O outro lado do coração. O mesmo sorriso, igual tristeza: agora mais só. Agora sem protecção.

"Pedro, a Maria vai para um sítio e queria despedir-se de ti...". Saltou da cadeira, choveram trovoadas de medos, caíram todas as lágrimas que o mundo construiu para serem choradas. Parou-se o tempo.

Levaram a Maria, deixaram o Pedro. Ele agarrado às costas da irmã. Ela a morder o lábio da saudade.
Eu a morrer um pouco. a calar-me tanto. A desmaiar de dor.

Fiquei a vê-la sair. Depois corri para o Pedro. Abracei-o, dei-lhe colo e disse que o amava. Ele sorriu um sorriso pequenino e triste, encostou a cabeça e segredou-me: A Maria também...e hoje levaram-na.

4 comentários:

Mãe Maria disse...

tão triste esta tua história que, a ser verdadeira, mais triste será. É de ir às lágrimas. Espero que a Maria seja finalmente feliz.

Andrea Diegues disse...

Mãe Maria, tudo o que escrevo aqui é inteiramente verdade. Contudo altero nomes, datas e géneros, para proteger cada uma das minhas "personagens".

Sim, espero que finalmente a Maria ganhe conforto e que o Pedro seja olhado como a outra vítima.

Profissão Mãe disse...

Andrea estou aqui numa choradeira, como é que possível levarem apenas um?
São dois irmãos...já é mau os pais que têm (se os podes chamar de pais), mas quebrar os laços entre irmãos...a mim doí-me.

Andrea Diegues disse...

Profissão Mãe...

Quem sente a maternidade e a protecção dos seus como única, prioritária, sangue na guelra, olho no olho..., quem tem alma mater...revolta-se com situações como estas. Nem as consegue conceber ou aceitar.

Não sei como foi possível separarem os irmão...mas posso avançar que ainda há uma terceira criança, mais pequenina. Igualmente vulnerável.

Que se actue.

Rapidamente.